ADEMI na Imprensa

Condomínio de alto luxo na Barra terá 22 unidades

Jornal do Commercio, Tatiana Gurjão, 11/jun

Descolado da crise, o setor imobiliário residencial de alto luxo continua de vento em popa, no que depender da procura. No fim do mês, será lançado condomínio residencial na Barra da Tijuca, no qual os preços variam entre R$ 2,2 e R$ 4,6 milhões. O investimento no projeto é de cerca de R$ 50 milhões.

"O segmento não sofreu com a crise. Em outubro e novembro, houve diminuição do volume de negócios, mas não no preço", afirmou Paulo César Ximenes, da Ximenes Consultoria Imobiliária, empresa que lançará o condomínio Disegno, a ser construído pela Wrobel .

A lista dos interessados já chega a 123 pessoas. Destas, 26 foram atendidas e dois negócios fechados. Por enquanto, a casa mais visada é a Aurora, que tem área de 850 m2, com adega, sala gourmet, ofurôs e demais mimos. "Pregamos o conceito de exclusividade, como de casas butiques, que pressupõe design, elegancia e personalização", completou Ximenes.

O mercado de alto luxo, no entanto, encontra dificuldade para se expandir, de acordo com Paulo Fabbriani, conselheiro da Associação de Dirigentes de Empresas de Mercado Imobiliário (Ademi). As áreas preferidas dos compradores - Zona Sul e praia da Barra da Tijuca - já não têm espaço suficiente para garantir o crescimento do nicho. Como há poucos lugares disponíveis para construção, o metro quadrado da região está cada vez mais caro; na Avenida Delfim Moreira, já custa R$ 20 mil, segundo o conselheiro.

Famílias grandes, de, pelo menos, quatro integrantes, são os maiores compradores. A renda domiciliar delas ultrapassa R$ 20 mil mensais. Elas não veem problemas em desembolsar mais de R$ 1 milhão em busca de segurança e localização privilegiada - de frente para o mar, de preferência.

"Este segmento ficará mais restrito pela falta de espaço ocioso. Lugares livres terão preço cada vez maior. O que for lançado terá sucesso, pois há demanda", disse Fabbriani.

Com 56 imóveis lançados este ano, este mercado tem representação pífia sobre as vendas imobiliárias residenciais da cidade. " Em 2007, dois condomínios de alto luxo na Barra venderam cerca de 500 lotes cada um. A tendência é estes imóveis terem traço desprezível se comparados aos voltados para outras classes.

Personalização. À beira da Área de Preservação Ambiental de Marapendi, o condomínio terá 22 casas, com quatro suítes, home cine, home fitness e piscina cada. Estas terão equipamentos inteligentes para garantir a segurança, como fechadura biométrica e smart eye pro - sistema que dispara alarme quando há anormalidade nas imagens das câmeras de circuito interno.

Cada casa terá também um "estúdio satélite" no clube. A ideia é que o espaço sirva como um conjunto de suítes para hóspedes, para evitar que os proprietários percam a privacidade em suas casas.

O principal diferencial do projeto, de acordo com Ximenes, é a possibilidade de customização dos imóveis. Proprietários poderão opinar em mudanças desde o acabamento ao paisagismo, com o auxílio de arquitetos. O estilo minimalista, porém, não poderá ser alterado.

"Sem contar o estilo do condomínio, futuros moradores poderão interferir em tudo. O condomínio será feito sob medida. Eles procuram personalização", disse o proprietário da imobiliária.



Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]