ADEMI na Imprensa

Barra terá conjunto popular

O Dia, Cristiane Campos, 08/ago

A Barra da Tijuca, uma das regiões mais nobres da cidade, vai abrigar empreendimento do programa 'Minha Casa, Minha Vida'. Serão 1.410 unidades na Avenida Salvador Alende, quase esquina com a Avenida Abelardo Bueno - próximo ao Autódromo e Riocentro. O megaprojeto foi idealizado pela MDL Realty e Living (empresa da RJZ Cyrela que atua no segmento econômico). Juros de 8,16% ao ano mais TR (Taxa Referencial) e financiamento de até 100%, em 30 anos. O lançamento será entre setembro e outubro.

Segundo o diretor de Incorporação da Living, Alexandre Calazans, os apartamentos terão dois quartos, distribuídos em nove torres, e são para famílias com renda entre seis e 10 salários mínimos (R$ 2.790 a R$ 4.650). "Estamos quebrando um paradigma, pois conseguimos reduzir ao máximo o custo da obra, mas sem perder qualidade e mantendo o mesmo padrão dos nossos condomínios. O valor das unidades ficará entre R$ 125 mil e R$ 130 mil", adianta Calazans.

O novo empreendimento terá área de lazer com piscina, brinquedoteca, quadra, churrasqueira e outros serviços. Os compradores terão direito a uma vaga. O condomínio seguirá o modelo de construção do programa que inclui previsão de hidrômetro individual, reaproveitamento da água da chuva e coleta seletiva de lixo.

O empreendimento terá vizinhos nobres, como os condomínios Rio 2, Cidade Jardim e Bora Bora Barra Resort Real. Segundo o vice-presidente da Ademi (Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário), Alexandre Fonseca, o megaprojeto não vai desvalorizar a região. "Tem espaço para todos. O empreendimento não desqualifica quem já está e abre oportunidade para quem não pode morar nos condomínios sofisticados da região. Estamos atendendo à nova classe média e evitando a favelização no local, já que se tratava de um terreno baldio", afirma Fonseca.

A Caixa Econômica Federal e a Prefeitura do Rio informaram que o projeto está em análise. As unidades do programa serão vendidas pela Basimóvel, que também participou do desenvolvimento.

Minibairro com 5.600 unidades

A Living também vai lançar um minibairro em Campo Grande, com 5.600 apartamentos no 'Minha Casa, Minha Vida', a preços abaixo de R$ 95 mil para famílias com renda de três a seis salários mínimos (R$ 1.395 a R$ 2.790). A Enes também vai construir 98 unidades na região pelo programa.

Segundo o diretor da empresa, Leonardo Enes, interessados poderão financiar até 90% do imóvel em 360 meses. Preços a partir de R$ 98 mil. Já a MDL Realty lançará 570 unidades em São Cristóvão. Serão apartamentos de até R$ 110 mil. O empreendimento fica a 500 metros do Pavilhão de São Cristóvão, e as unidades terão vista para a Baía de Guanabara. Para atender ao novo perfil de moradia, a Patrimóvel criou diretoria para o segmento econômico.

Caixa acompanha obras via satélite

A Caixa Econômica Federal anunciou que vai acompanhar as obras do programa habitacional via satélite. O modelo permite o acompanhamento visual das construções e a avaliação dinâmica não somente da obra, mas também dos seus impactos atuais e futuros na região. A Caixa também informou os números atualizados de propostas recebidas até 31 de julho no País: 1.114 projetos.

Isso significa construir 215.855 unidades, com investimentos de R$ 13,5 bilhões. Do total, 355 estão com a documentação completa e iniciaram análise, das quais 177 propostas foram contratadas - corresponde a 26.211 unidades e a R$ 1,66 bilhão em investimentos. No Rio, 79 projetos com 15.469 unidades estão em análise, sendo que 1.023 no município.



Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]