O presidente da ADEMI, Rogério Chor, abriu ontem a 12ª edição do Encontro Nacional de Advogados do Mercado Imobiliário com uma palestra sobre o mercado de investimentos imobiliários e o cenário sócio-econômico nacional. O evento, organizado pela ABAMI, visa o aperfeiçoamento e atualização daquels que atuam no setor imobiliário. ">
 
 

ADEMI em foco

Presidente da ADEMI dá palestra no XII ENAI

O presidente da ADEMI, Rogério Chor, proferiu, ontem, a palestra de abertura da 12ª edição do Encontro Nacional de Advogados do Mercado Imobiliário, organizado pela ABAMI. Na sua apresentação, ele traçou um perfil do mercado imobiliário de hoje, além de expor as principais questões do setor ligadas ao campo jurídico.

Segundo ele, "a queda na taxa de juros, a diminuição no nível de desemprego, a queda da inflação e o aumento do financiamento imobiliário por parte dos bancos foram fatores que mudaram a cara do mercado imobiliário nos últimos anos". Além disso, ele ressaltou que "a globalização do mercado imobiliário mudou a dinâmica das empresas incorporadoras nos últimos seis anos. Com a abertura de capital (IPOs), as incorporadoras passaram a não ter mais a figura do "dono" e sim investidores. O caixa das empresas que era de 30, 40 milhões passou a ser de 300, 400 milhões". Segundo ele, o setor tem motivos para enfrentar os desafios dos próximos anos com serenidade: "vejo com muito otimismo o futuro do mercado imobiliário. Quem quer que ganhe as eleições deve manter o Plano Minha Casa Minha Vida, porque gera empregos, movimenta a economia e realiza sonhos."

Ele também traçou ótimas perspectivas para a cidade maravilhosa: "o futuro do Rio de Janeiro é muito promissor. Todo mundo achava impossível resolver o problema da segurança e hoje já é possível ver uma luz no fim do túnel. Esse ano, todos os lançamentos na Tijuca venderam suas unidades em um dia." Rogério Chor também ressaltou que a administração atual favorece o dinamismo do setor: "o Rio de Janeiro é o município mais rápido do Brasil na aprovação de projetos", lembra. Ele ainda citou a ampliação da área de atuação para a zona norte (Tijuca e São Cristóvão), zona Oeste (Jacarepaguá), Baixada (Duque de Caxias) como uma das principais mudanças observadas no mercado nos últimos anos.

Sobre assuntos jurídicos, Chor opinou que "a alienação fiduciária não resolveu o problema crucial da rescisão de contratos. A retomada do imóvel em caso de inadimplência ainda é um problema a ser resolvido". Segundo ele, "segurança, liquidez e rentabilidade é o trinômio básico de qualquer investimento. O ponto forte do mercado imobiliário tem que ser a segurança. Por isso, o setor judiciário precisa preservar a segurança nos contratos".

O evento, que segue até amanhã, dia 8 de outubro, tem como principal objetivo de fornecer aos profissionais do setor um conteúdo programático, harmonizando teoria e prática, sobre os mais diversos temas ligados aos aspectos jurídicos do setor imobiliário.



Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]