Painel Imobiliário

ADEMI participa do Workshop Porto Maravilha - Desafios e Oportunidades

[

()

Com o auditório da Caixa Econômica do Rio lotado foi realizado na manhã de hoje o workshop cujo objetivo era promover a apresentação dos aspectos relevantes e oportunidades que envolvem a Operação Urbana Consorciada na região do Porto do Rio de Janeiro. A ADEMI esteve representada pelo seu Presidente José Conde Caldas. 

O Prefeito Eduardo Paes saudou os presentes e abriu os trabalhos, afirmando que o projeto Porto Maravilha é a principal iniciativa da sua administração dado seus alcances no plano de desenvolvimento econômico, social e cultural para a cidade do Rio.  

Dr. Jorge Arraes, Presidente do CDURP, falou da inovação e a quebra de paradigmas em empreendimentos imobiliários urbanos. Primeiro, pelo volume de potencial construtivo disponíveis na zona portuária; segundo pela revitalização do downtown a partir de significativos investimentos em infra-estruturas urbanas e transporte publico integrado (BRTs e VLT) e consolidação de um desenvolvimento imobiliário de longa duração - no caso com um horizonte de 15 anos ou mais.  Para atrair investidores e negócios para a  região do Porto Maravilha, o município oferecerá incentivos fiscais, com o ISS descontado de 5%  a 2% e a redução nas alíquotas do IPTU.  O principio adotado para a região, que necessita de um desenvolvimento econômico e social, é "orquestrar ações para integrar e capacitar áreas urbanas no sentido de dar a todos o direito a uma cidade sustentável."  

Entre as obras em andamento, Jorge Arraes, citou os projetos especiais, da recuperação dos Galpões da Gamboa, o Cais do Valongo e a Casa do Jose Bonifácio-serão aplicados 3% dos recursos do Fundo (FII) em obras de recuperação de patrimônio existente na região. E construção de  novos equipamentos culturais, como o Museu do Amanhã e o Museu de Arte (MAR).  Próximos passos incluem: (a) a contratação do VLT e (b) a contratação Telecom, e a obra emblemática da demolição da via elevada da Perimetral.

Amin B. Moraes, representando concessionário Porto Novo, responsável  pelas obras de infraestrutua falou da missão e visão que o consorcio adotou para a realização das obras estruturantes: incluindo a via binária, os túneis da região e a via expressa.   Citou as importantes iniciativas de trabalhos de responsabilidade social, nos 45 projetos e ações já conduzidas junto as comunidades locais (cursos de idioma, ação e inclusão social na Praça da Memória).  No que tange a demolição da via Perimetral, afirmou que os transtornos ao transito serão inevitáveis, mas que ao final a região vai ganhar 50% mais pistas, com superior qualidade.

Douglas Munro, Presidente da Hines do Brasil, falou da sua empresa de consultoria internacional que tem uma vasta experiência em projetos de revitalização urbana, com lançamentos imobiliários em Barcelona, Milão e atuando em 17 paises, foi contratada para prestar assistência técnica a operação do Fundo (FII) do Porto Maravilha.

Marcos Roberto Vasconcellos, Vice-Presidente de Gestão de Ativos de Terceiros da CEF, falou sobre a forma de utilização dos fundos do FGTS no valor de R$ 3.5 bilhões na compra do CEPACS.  Para maiores detalhes vejam no site da CEF: gemob01@caixa.gov.br

(Nota preparada pelo Consultor Técnico ADEMI, Ephim Shluger).



Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]