Hoje na Imprensa

Fundos de pensão usam crise para investir

O Estado de S. Paulo, Renata Agostini e Renata Batista, 13/jun

A turbulência da última semana levou os dos maiores fundos de pensão do País, o dos funcionários da Petrobrás (Petros) e dos empregados Banco do Brasil (Previ), a atuarem na tentativa de aproveitar a volatilidade no mercado. Executivos de fundos de pensão se reuniram em evento no Rio, nesta terça-feira, 12.

A Petros foi a mais agressiva. Apenas na última semana desembolsou R$ 1,4 bilhão em ativos de sua carteira para a compra de títulos públicos e investimentos em renda variável. 

Para Walter Mendes, presidente do fundo, o mercado estava excessivamente otimista. E a fundação, que já antecipava volatilidade ao longo do ano, estava preparada para a investida. Após vender uma série de participações em empresas, como fatias na Itaúsa e no Iguatemi, tinha recursos em caixa.

O fundo desembolsou mais de R$ 1 bilhão com NTN-Bs e ampliou posição em renda variável em mais R$ 400 milhões - recursos que serão investidos por meio de gestores contratados -, segundo o diretor de investimentos da Petros, Daniel Lima. 

E a estratégia de compra de títulos públicos deve se manter no segundo semestre, disse Lima, que projeta cenário incerto. "Até o primeiro turno da eleição, podemos esperar volatilidade."

Maior fundo de pensão do País, a Previ também aproveitou a oportunidade de ganho no mercado de títulos públicos. "As curvas de renda fixa aumentaram momentaneamente, então pegamos o dinheiro que tínhamos e aplicamos", disse Gueitiro Genso, presidente da Previ, explicando que havia recursos aplicados com liquidez diária provenientes da venda recente de ativos. 

O revés nas expectativas, porém, não motivará movimentos estratégicos de compra em renda variável, segundo o executivo. "Não somos investidores ativos no sentido de bolsa desceu, então eu vou lá e compro. Miramos longo prazo e a entrega de dividendos", afirmou Genso. 

Ao contrário de outras fundações, a Previ trabalha para reduzir a participação de renda variável em seu plano principal, que hoje tem 48% dos recursos nesse tipo de ativo. A queda no preço das ações leva a Previ a suspender movimentos de venda.

De olho. Funcef e Valia, fundos de pensão da Caixa Econômica Federal (CEF) e da Vale, respectivamente, também analisam com interesse o cenário no mercado de títulos públicos, mas não tomaram decisão.

"O mundo é assim, cíclico. O estresse para os outros talvez seja oportunidade para fundos de pensão", disse o diretor superintendente da Valia, Edécio Brasil. O presidente da Funcef, Carlos Vieira, afirmou que a volatilidade dos últimos dias foi inesperada. Segundo ele, a ordem na Funcef, que buscará equacionar seu déficit ao longo dos próximos 18 anos, é evitar decisões imediatistas. 


Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]