ADEMI na Imprensa

Comprar agora? Juros baixos e imóveis caros

O Globo, Raphaela Ribas, 12/ago

O mercado imobiliário está otimista com as mudanças recentes anunciadas pelo governo para impulsionar o setor. Entre essas, o aumento do limite de financiamento com recursos do FGTS para R$ 1,5 milhão em todo país, regras mais flexíveis nos contratos, além de incentivos para o financiamento de imóveis abaixo de R$ 500 mil.

No Rio, a notícia veio com uma brisa que promete mudar o cenário de estagnação - com centenas de unidades estocadas - para o de novos lançamentos.

As regras, a princípio, devem começar a valer em janeiro - embrao haja rumores de que entrem em vigor logo nas próximas semanas, diante da boa repercussão gerada. A expectativa é de pôr R$ 80 bilhões em novos empréstimos nos próximos seis anos.

Há ainda a perspectiva de que o aumento do número de compradores acirre a concorrência tanto entre os bancos quanto entre os próprios compradores - e de que isso leve a uma subida nos preços dos imóveis. Mas, calma: os impactos reais só deverão ser a médio e longo prazo.

Para o presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Rio (Ademi), Claudio Hermolin, o reaquecimento ainda levará um tempo. Segundo ele, a curto prazo haverá somente o aumento na pesquisa de imóveis para compara, mas apenas em um segundo momento é que as vendas acontecerão.

- Só em uma terceira etapa é que haverá a redução nos estoques, e isso levará a novos lançamentos e a novos preços - completa.

Diante desses desdobramentos, ele acredita que agora ainda é a melhor hora para comprar um imóvel, pois os preços ainda não subiram.

- Comprar agora é vantajoso, seja à vista ou em financiamento, pois a tendência é de que os preços aumentem daqui para frente graças à recentes facilidades - afirma o gerente de projetos da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Renato Lomonaco.

O professor do MBA em Negócios Imobiliários da FGV, Paulo Pôrto, antevê que o aquecimento do mercado, de fato, pois, mesmo com o crédito melhorando, a crise de confiança ainda é um desafio. 

- O aquecimento vai demorar um pouco, pois o tripé para a compra de um imóvel é crédito, renda e confiança. E, num país com 13 milhões de desempregados, a renda ainda está muito abalada e, assim, as pessoas ainda têm medo de se comprometer. Isso faz com que a itenção de compara ainda seja adiada.

Taxas de juros menores

Outra mudança é que os bancos terão autonomia para acertar os juros com os clientes. As instituições não dizem se vão baixar juros - limitam-se a informar que as taxas já tiveram muitas quedas nos últimos anos e que seguirão "o mercado".

Com eleições à vista e algumas limitações da Caixa (como a suspensão do Programa Pró-Cotista da modalidade imóvel usado para novas prospecções), aguardar faz parte da estratégia.

Todavia, os especialistas acreditam que a disputa pela clientela deve levar os bancos a reduzir suas taxas - ainda que pouco.

- Vai mudar porque vai haver mais crédito disponível e mais ofertas. Antes, os bancos tinham limite de financiamento e, agora, não têm mais. Por isso, vão deixar as taxas mais atrativas, justamente para esse público que pode pagar mais - diz Lomonaco.

Pôrto explica que a Caixa já começou o movimento para queda, que deve ser seguida pelos demais bancos:

- Logo depois os bancos privados deverão começar uma redução dos juros para crédito imobiliário. Será após essa crise de confiança, quando o cliente começar, realmente, a abuscar imóveis.

Tendência é de haver juros mais atraentes

O diretor-executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de oliveira, também crê que os juros vão baixar. Pouco, ressalta. Ele destaque que os imóveis tiveram alta valorização até 2016 e os tetos-limite para financiamento no Rio já não faziam sentido.

- Os bancos privados cresceram muito com as limitações da Caixa e essas mudanças abriram espaço para outros bancos e, consequentemente, para a concorrência. Isso deve levar a juros ainda mais baixos, mas, em contrapartida, com mais pessoas motivadas a comprar, os imóveis tenderão a valorizar.

Fabrizio Ianelli, superintendente-executivo de Negócios Imobiliários do Santander, diz que ainda não há previsão de redução da taxa de juros e concorda com Pôrto sobre o desafio da crise de confiança.

- Não vejo muito espaço no momento ainda para redução de taxa de juros no mercado. O cenário ainda precisa ficar melhor, inclusive a confiança do consumidor. Mas o que vemos já é um esforço por parte das incorporadoras em vender estoques.

Já Leandro Diniz, diretor de Empréstimos e Financiamentos do Bradesco, diz que, por enquanto, não há previsão de mudanças quanto a juros e limite de financiamento, que hoje é de 80% do valor total. Segundo ele, as taxas deverão continuar nesse patamar.

Cristiane Magalhães, diretora do Itaú Unibanco, reforça a posição da queda de juros nos últimos anos e diz que "sempre que há oportunidade, trabalhamos para reduzi-la". E a Caixa e o Banco do Brasil não se manifestaram a respeito da redução.

O professor de Economia & Finanças do Ibmec, Nelson de Souza, observa que potenciais compradores podem até se empolgar, mas devem ter os pés no chão. Para ele, o limite mais alto aumenta o leque de opções, porém as taxas de juros e limites de funcionamento não dem mudar muito.

- O comprador tem que avaliar o gasto efetivo que terá por mês, considerando todos os encargos , tarifas e a prestação e lembrando de outras despesas, como condomínio.


Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]