ADEMI na Imprensa

Com o fôlego renovado

Mesmo sentindo, até agora, os efeitos da volatilidade da economia brasileira e da crise que atingiu o setor imobiliário entre o final de 2014 e o início de 2018, o mercado enxerga uma retomada de fôlego na região. No ano passado, as vendas de imóveis na Grande Tijuca somaram mais de R$ 177 milhões, 2,84 vezes a mais que o ano anterior, segundo dados da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi). O restante da Zona Norte, por sua vez, está saindo da fase de recessão para a de recuperação, segundo o diretor da ML Administradora, Marcelo Borges. Ele explica que nos últimos anos o preço mais conveniente de terrenos na Zona Norte tem atraído incorporadoras para construir lançamentos.

A Grande Tijuca continua sendo um dos bairros mais cobiçados para se morar na Zona Norte. Vasta oferta de restaurantes, lojas, supermercados e opções de lazer são atrativos da região. Em termos de serviço, há ampla variedade de colégios, hospitais e empresas de estética. De acordo com dados da Ademi, desde a revitalização do bairro, com a chegada das UPPs, em 2010, e até 2018, foram lançadas 3.378 unidades residenciais. Só no ano passado foram 432 (o maior número desde 2012, com 655). Nesse total, destacam-se os condomínios-clubes, com ótima infraestrutura e com pouca oferta na região.

Entre os sucessos de venda da RJZ Cyrella estão o Move e o Aura. Lançado em novembro do ano passado, o Move, que será construído na Rua São Francisco Xavier, em frente ao Colégio Militar, teve todas as suas 139 unidades vendidas em um mês, sendo 80% para moradores e 20% para investidores que pretendem alugar, revender etc.

O valor médio dos apartamentos foi de R$ 750 mil. A previsão de entrega do condomínio (apartamentos com dois e três quartos divididos em dois blocos) é dezembro de 2020. Já o Aura (também com opções de dois e três quartos em apenas um bloco), lançado no começo de dezembro de 2018, tem 50% das 66 unidades vendidas. A previsão de entrega do imóvel, que será erguido na Rua Visconde de Itamarati, é abril de 2021.

De acordo com a Inteligência de Mercado da RJZ Cyrela, a maioria dos compradores de imóveis dos últimos três empreendimentos da empresa era residente no próprio bairro em que ocorreu o lançamento. Na Grande Tijuca especificamente, mais de 80% das vendas foram para moradores da região que buscavam melhorar seu padrão de vida. É o caso de Vinícius Soares e sua mulher, Carolina, moradores do Rio Comprido que queriam se mudar para um apartamento maior.


- Nós já conhecemos o bairro, é uma região com muitos bares e próxima ao shopping. A questão da mobilidade também nos atraiu, é perto do Centro e do nosso trabalho, e um local de fácil acesso ao metrô - diz Soares.

O casal visitou o Move Tijuca no pré-lançamento e fechou negócio assim que o imóvel foi lançado, parcelando 80% do investimento em 24 prestações. Lançado no começo de dezembro na esquina da Rua Uruguai com a Avenida Maracanã, o Tijuca All Ways, da Balassiano Engenharia, é outro exemplo de condomínio-clube que foi um sucesso de vendas: foram vendidas 70% das 90 unidades, em menos de quatro dias.


- Sabemos do potencial da Tijuca, principalmente nesta área da Rua Uruguai, considerada a mais nobre do bairro - afirma Marcelo Diniz, coordenador de produto do All Ways.



Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]