Notícias do setor

LafargeHolcim amplia sua operação de varejo

Valor Econômico, Rodrigo Carro, 22/abr

No Brasil desde fevereiro do ano passado, a rede varejista de material de construção Disensa inaugurou até agora 70 lojas no país e tem outros 25 contratos de franquia assinados para a abertura de novas unidades. A marca pertence ao grupo franco-suíço LafargeHolcim, dono da terceira maior fatia do mercado brasileiro de cimento. A meta é chegar a 450 unidades em funcionamento em 2023 por meio de um sistema de franquias no qual lojas de material de construção já existentes são "convertidas" para a marca.

"O setor de material de construção é o de menor concentração no varejo brasileiro", diz Natália Cid, gerente-geral de varejo da Disensa. Levantamento da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco) mostra que, entre os 140 mil pontos de venda existentes no Brasil em 2016, 87% eram varejistas independentes e apenas 5% pertenciam a redes com três ou mais unidades.

"Num mercado com cerca de 140 mil pontos de venda, será que vale a pena abrir lojas próprias?", questiona a executiva. Entre as unidades da Disensa em funcionamento, a maioria está concentrada no Rio de Janeiro (43). O restante está distribuído por Bahia (17) e Pernambuco (10).

A marca planeja entrar em São Paulo no segundo semestre deste ano - já existe um pré-contrato de franquia assinado para a abertura de uma unidade na região do ABC. Minas Gerais e Paraíba são outras duas praças estratégicas para a marca, afirma Natália. "Nossos mercados prioritários são aqueles em que a LafargeHolcim está posicionada."

Com mais de mil lojas espalhadas pela América Latina, a Disensa era até 2017 uma varejista local. Estava restrita ao Equador, onde a rede nasceu, em 1973, como uma marca da Holcim. Atualmente opera em quatro países latino-americanos, na América Central, no Oriente Médio e na África. A função básica das lojas é ajudar a escoar a produção do grupo franco-suíço - o cimento e a argamassa vendidas nas unidades brasileiras são exclusivamente de marcas da LafargeHolcim.

Num mercado pulverizado como o do Brasil, a estratégia da Disensa passa por atrair varejistas independentes com um modelo que prevê a melhoria da gestão e do atendimento, além da diversificação do mix de produtos. A rede conta, por exemplo, com uma central de negociação que se propõe a oferecer melhores condições aos varejistas na aquisição de produtos.

Cerca de 90% das lojas da marca em funcionamento são estabelecimentos já existentes. Na mira da empresa estão os varejistas com pontos de pelo menos 100 metros quadrados de área e faturamento potencial mínimo de R$ 150 mil por mês, em média. Dentro do modelo de negócios desenhado pela Disensa, o objetivo é elevar esta receita para o patamar mensal de R$ 300 mil.

"No Brasil e na América Latina, o material básico [cimento, areia, ferro etc.] é vendido próximo à obra", conta Natália, acrescentando que este tipo de produto é consumido normalmente nas áreas de rápido crescimento da cidade, como novos bairros e comunidades carentes. "Nos bairros já consolidados são mais comuns as lojas de materiais para reforma."

A ampliação do mix de produtos é parte desse esforço para alavancar o faturamento, com inclusão dos chamados "produtos de finalização", como tintas, pisos e até luminárias. Além de aumentar a variedade de itens disponíveis, a Disensa aposta na oferta de serviços em conjunto com os produtos. A rede tem uma parceria fechada com a brasileira GetNinjas, plataforma on-line para contratação de serviços em diferentes áreas, incluindo a de reformas.

A recuperação ainda lenta da economia brasileira é um complicador, reconhece a gerente-geral de varejo da Disensa, mas também vem se revelando como um fator de atração de novos franqueados, já que boa parte deles não conta com uma estrutura de gestão e atendimento profissionalizada. "Muitos chegam a nós dizendo: meu negócio está morrendo", conta Natália.


Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]