Notícias do setor

Casa própria: redução de juros aquece mercado imobiliário

O Dia, Economia, 09/out

Quem pensa em fazer financiamento imobiliário vai encontrar boas condições para fechar contrato e concretizar o sonha da casa própria. Além de condições especiais de pagamentos em feirão de imóveis que acontecerá no fim do mês, os interessados vão poder aproveitar a redução das taxas de juros anunciada ontem pela Caixa Econômica Federal. O banco baixará, a partir de segunda-feira, em um ponto percentual a taxa efetiva mínima que caiu para 7,5% ao ano mais TR, que está zerada. Outros grandes bancos também estão com juros reduzidos para a modalidade, seguindo a tendência da queda da taxa básica (Selic) para 5,5% ao ano.

O DIA fez um levantamento das taxas para que o cliente possa fechar o contrato com os menores juros possíveis. Bruno Teodoro, gerente comercial da CAC Engenharia, exemplifica que a medida da caixa vai permitir ao cliente que compraria imóvel no valor de R$ 200 mil, com pagamento de R$ 1,5 mil por mês, um financiamento maior.

"Com a mesma quantidade de parcelas, valor e condições iguais ao contrato anterior, agora esse cliente vai poder comprar um imóvel que custa R$ 240 mil", explica.
"A medida é muito positiva porque acaba impulsionando o setor. O cliente tem a chance de comparar as ofertas e de decidir pela opção mais viável economicamente", afirma Sanderson Fernandes, diretor da Avanço Realizações Imobiliárias.

Os interessados poderão simular os financiamentos no site da Caixa em www.caixa. gov.br/, na aba Produtos e depois Empréstimo e Financiamento. Lá, também é possível comparar os juros e as condições para obtenção do crédito.

"Para fazer um bom negócio, o cliente deve comparar o que vai determinar um valor maior ou menor das prestações, o que não é restrito aos juros. O seguro, o prazo, a idade do proponente, e muitos outros fatores devem ser analisados antes de fechar o contrato", orienta Bruno Teodoro. "Além disso, é preciso ver se a parcela cabe no orçamento, levando em consideração todas as despesas mensais."

COMPARAÇÕES ENTRE BANCOS

A taxa efetiva mínima pela Caixa será de 7,5% ao ano mais a TR, que está zerada. Já o Bradesco reduziu, no final de setembro, as taxas mínimas de sua linha de crédito imobiliário a partir de 7,3% ao ano mais a TR. No Banco do Brasil, os juros caíram no dia 30 de setembro para um patamar a partir de 7,4% ao ano mais TR. As condições do Itaú são de 7,45% ao ano mais TR desde o início do mês. O Banco Inter anunciou que reduziu ontem a taxa para 7,7% ao ano mais TR. No Santander, desde julho, os juros são de 7,99% ao ano, além da TR.

Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]