Hoje na Imprensa

Dólar fecha em alta em dia de ajustes no exterior

Valor Econômico, Lucas Hirata, 22/set

O mercado doméstico não ficou ileso dos ajustes globais à percepção de que o Federal Reserve ainda pode elevar juros novamente em 2017. O dólar fechou em alta moderada por aqui e se aproximou de R$ 3,15. O movimento esteve alinhado com o recuo dos principais emergentes nesta quinta-feira. Ainda assim, é baixa a perspectiva de um grande mudança de cenário, mesmo que o banco central dos EUA concretize o plano de voo.

BC projeta expansão de 2,2% em 2018, com recuperação do investimento

Valor Econômico, Thais Carrança e Gabriel Caprioli, 22/set

O Banco Central (BC) aumentou a projeção para o crescimento de 2017, de 0,5% para 0,7%, ao mesmo tempo em que divulgou pela primeira vez uma estimativa para a expansão do PIB de 2018, de avanço de 2,2%. É o mesmo número do consenso de mercado que aparece no mais recente boletim Focus, divulgado semanalmente pelo BC.

Inflação baixa demais

O Globo, Cássia Almeida e Gabriela Valente, 22/set

A profunda recessão pela qual a economia brasileira passou nos últimos três anos e um resultado excepcionalmente bom da safra agrícola levaram o país a uma situação incomum. A inflação está tão baixa que o Banco Central (BC) indicou, em seu último relatório de acompanhamento dos preços, que, a partir de agora, adotará uma política de juros "estimulativa", ou seja, que visa a estimular a economia.

Bolsa bate 76 mil pontos apesar de Fed

Valor Econômico, Chrystiane Silva e Juliana Machado, 21/set

Em um dia em que a pressão por realização de lucros e a reunião de política monetária do Fed (banco central dos EUA) pesaram sobre o mercado financeiro, o Ibovespa conseguiu subir um pouco e fechar a sessão pela primeira vez acima de 76 mil pontos, batendo novamente seu recorde histórico. O índice chegou a cair mais de 1% durante o pregão, em um movimento de realização de lucros, uma dinâmica considerada natural pelos investidores depois das altas recentes da bolsa.

IPCA-15 desacelera alta para 0,11% em setembro

Valor Econômico, Bruno Villas Bôas, 21/set

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), prévia da inflação oficial do país, desacelerou a alta de 0,35% em agosto para 0,11% em setembro. Foi o menor resultado para um mês de setembro desde 2006, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Um ano antes, a taxa foi positiva em 0,23%.

 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]