Notícias do setor

A revisão da restrição de altura dos edifícios de São Paulo pode trazer ganhos à cidade?

Folha de S. Paulo, Tendências/Debates, 18/nov

Admitir uma flexibilização da altura dos edifícios nas Zonas Mistas, que representam 15,5% do território, é medida de justiça social. E que não se fará de forma indiscriminada, já que virá acompanhada de mecanismos qualificadores, como largura mínima de via, fruição pública, alargamento de calçadas, além de total restrição nas quadras lindeiras às zonas residenciais. E as zonas estritamente residenciais ZER e os corredores a elas lindeiros continuam intocados.

Preço de imóveis sobe mais em áreas mais ricas

O Estado de S. Paulo, Editorial Econômico, 18/nov

Os preços médios de venda de imóveis nas 20 principais cidades do Brasil ficaram estáveis entre setembro e outubro, segundo o Índice FipeZap, da Fundação Instituto de Pesquisa Econômica da USP e do portal ZAP. O indicador baseia-se em valores pesquisados na internet do metro quadrado de apartamentos prontos. Embora se trate de preços pedidos pelos vendedores - raramente observados nas operações concluídas -, os valores sugerem que alguns dos grandes mercados de imóveis do País já iniciam a recuperação, depois de um período de grandes dificuldades. E a retomada é mais forte em áreas mais desenvolvidas.

Lançamento e venda reagem no 3º tri, mas resultado patina

Valor Econômico, Chiara Quintão, 17/nov

As incorporadoras de capital aberto elevaram de forma acentuada os lançamentos e vendas de imóveis no terceiro trimestre, ante um ano atrás. O que se traduziu em aumento da receita líquida das empresas. Todavia, esse início d e reversão do desempenho operacional ainda não gerou impacto positivo, integralmente, na última linha dos balanços das companhias. O setor continua a operar no vermelho, ainda que o prejuízo líquido consolidado tenha registrado uma queda de 79%, para R$ 432,1 milhões.

Moradia popular dá impulso à recuperação do mercado imobiliário

O Estado de S. Paulo, Circe Bonatelli, 17/nov

As empresas de construção que desenvolvem moradias populares, enquadradas no Minha Casa, Minha Vida, têm puxado a recuperação do mercado imobiliário. Direcional, MRV e Tenda responderam por dois terços dos lançamentos e das vendas do terceiro trimestre entre as 11 incorporadoras listadas na Bolsa. Juntas, as três lançaram empreendimentos com valor de vendas estimado em R$ 2 bilhões, um crescimento de 55,5% na comparação anual. As vendas no período totalizaram R$ 2,1 bilhões, avanço de 23,5%.

'Não vamos crescer em crédito como crescíamos'

O Estado de S. Paulo, Adriana Fernandes, Igor Gadelha e Irany Tereza, 17/nov

O presidente da Caixa, Gilberto Occhi, admitiu que o banco tem um problema crítico de capital, mas que tem muita liquidez para enfrentar qualquer nível de estresse que o mercado possa passar. Com um socorro financeiro do Tesouro descartado, a Caixa ajusta a liberação de empréstimos para que a carteira de crédito não cresça tanto. "A Caixa está trabalhando para melhorar a carteira de crédito, para que ela não cresça tanto quanto no passado", afirmou.

 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]