Notícias do setor

Bancos privados superam Caixa na concessão de financiamentos

O Estado de S. Paulo, Economia, 18/jul

A Caixa tem ficado para trás no financiamento imobiliário. Basta olhar o ranking de instituições que mais desembolsaram recursos do SBPE - sistema de financiamento com recurso da poupança - para confirmar que os bancos privados ganharam terreno na tomada de crédito. Até o ano passado, a Caixa sempre havia sido líder disparada na concessão de crédito imobiliário, tanto em número de unidades financiadas quanto em valor.

Crédito para imóveis tem sobra de R$ 100 bilhões

O Estado de S. Paulo, Aline Bronzati e Circe Bonatelli, 18/jul

A lenta retomada do setor imobiliário, aliada à resistência do consumidor em assumir dívidas longas, gera uma situação inédita no mercado de crédito para a compra da casa própria: vão sobrar mais de R$ 100 bilhões em recursos para financiamento, entre esse ano e o próximo ano, segundo estimativa da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Essa montanha de recursos ociosos é reflexo do ritmo lento de recuperação da economia, que, por consequência, emperra a venda de imóveis.

Captação da Gafisa

Valor Econômico, Empresas, 18/jul

A Gafisa aprovou a emissão privada de R$ 90 milhões em debêntures que servirão de lastro para a oferta de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) a serem emitidos pela Habitasec Securitizadora. Os recursos serão utilizado para o desenvolvimento, pela Gafisa, do empreendimento imobiliário residencial denominado "Bosque Marajoara", em São Paulo. As debêntures pagarão uma remuneração equivalente ao CDI mais uma taxa de até 3% ao ano, com vencimento em 2022.

Vendas da Rodobens

Valor Econômico, Empresas, 18/jul

A RNI Negócios Imobiliários (antiga Rodobens) informou ontem que não realizou lançamentos no segundo trimestre de 2018, uma vez que priorizou a venda de estoques. No mesmo período do ano passado, também não houve lançamentos. As vendas líquidas recuaram 40,3% entre abril e junho deste ano, para R$ 34 milhões, na comparação anual.

IGP-M desacelera alta a 0,53% na 2ª prévia de julho com queda de alimentação, diz FVG

Extra online, Economia, 18/jul

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) desacelerou a alta em meados de julho diante das quedas nos preços dos produtos agropecuários no atacado e de alimentos e vestuário no varejo. O indicador subiu 0,53 por cento na segunda prévia de julho, sobre avanço de 1,75 por cento no mesmo período do mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira.

 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]