19 de junho

Mercado Imobiliário Brasil

Venda de imóveis novos quebra marca histórica mais uma vez, segundo indicador Abrainc-Fipe
em Valor Econômico, 17/junho

A venda de unidades residenciais novas atingiu recorde nos 12 meses encerrados em março deste ano, de acordo com o indicador Abrainc-Fipe, elaborado com dados de 20 empresas pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias e a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. Foram vendidos 177.350 imóveis novos, crescimento de 43,1% sobre os 12 meses anteriores. O volume supera a marca atingida em dezembro de 2023, quando o acumulado de 12 meses foi de 163,1 mil unidades, até então o recorde da série histórica do indicador, iniciada em 2014. Em valor de vendas, o aumento foi de 47,4%, com R$ 54,3 bilhões movimentados.

Notícias

Setor imobiliário propõe ajustes na reforma tributária
em A Tribuna do Norte, 19/junho

Os representantes do setor de construção e incorporação imobiliária estão se mobilizando para mudar a proposta da reforma tributária enviada pelo governo federal ao Congresso. Eles usam o argumento de que o teor do projeto elevará a carga de impostos para essas atividades. Na simulação apresentada pelos empresários, a carga tributária sobre um imóvel de R$ 200 mil passaria de 6,41% nos termos atuais para 7,9% após a reforma, considerando o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e a Contribuição Sobre Bens Serviços (CBS) já embutidos.

Leilões em parceria com o Santander oferecem mais de 300 imóveis pelo Brasil
em IstoÉ Dinheiro, 18/junho

Dois leilões que vão ocorrer nesta terça-feira, 18, em parceria com o banco Santander, oferecem mais de 300 imóveis comerciais, residenciais, rurais e terrenos com promessa de desconto de até 62%. O certame em parceria com a casa de leilões Biasi oferece 169 imóveis em propriedades nos seguintes estados: Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pernambuco, Paraíba, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Sergipe, São Paulo e Santa Catarina.

Fazenda trabalha para atrair grandes fundos ao mercado imobiliário, mas Selic atrapalha, diz secretário
em CNN Brasil, 18/junho

Secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Guilherme Mello afirmou que a pasta trabalha para atrair grandes fundos de pensão e investimentos ao mercado de crédito imobiliário e criticou o patamar atual da taxa básica de juros, a Selic. Mello participou do CNN Talks Crédito Para o Brasil, na manhã desta terça-feira (18), em Brasília. “Queremos trazer os fundos pensão, os fundos de investimentos”, disse Mello.

Venda de imóveis em São Paulo atinge recorde em 2024
em O Globo, 18/junho

O mercado imobiliário de São Paulo está em alta, conforme apontado por uma reportagem do Estado de S. Paulo. De acordo com uma pesquisa da Brain Inteligência Estratégica, no fim de março, o total de imóveis vendidos na cidade ultrapassou pela primeira vez a marca de 100 mil unidades dentro do acumulado de 12 meses. Esse resultado representa um crescimento de 25% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Outra publicação da CNN Brasil também ressalta o aumento das vendas na capital paulista, destacando que entre janeiro e abril os imóveis de pequeno porte cresceram 14,5% no comparativo com 2023. Na mesma linha, apartamentos de grande porte, acima de 120m², também apresentaram um crescimento de 6,1%.

17 de junho de 2024

ADEMI-RJ na imprensa

Vendas aquecidas animam mercado imobiliário do Rio
em O Globo, 16/junho

Os resultados do primeiro trimestre deste ano animaram o mercado imobiliário. O número de unidades lançadas de janeiro a março cresceu 7% na comparação com o mesmo período do ano passado: foram 3.312 unidades, contra 3.048 no ano anterior. O valor geral de vendas (VGV) também teve alta na comparação entre os dois períodos e saltou de R$ 1,49 milhão para R$ 1,64 milhão. Os dados são de pesquisa da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-RJ).

Notícias

O que se sabe sobre prédio residencial de meio bilhão de reais em Ipanema
em Veja Rio, 14/junho

O quarteirão da Rua Prudente de Moraes entre a Farme de Amoedo e a Teixeira de Melo deve dar lugar a um residencial de meio bilhão de reais nos próximos anos, segundo a coluna Capital, do jornal O Globo. Isso porque dois terrenos que somam uma área de mil metros quadrados, onde atualmente estão 16 apartamentos. Sem dúvida, vai ser um empreendimento fora do comum porque os terrenos do bairro foram sendo vendidos com o passar dos anos e é muito difícil comprar dois terrenos agrupados. É raríssimo. Com certeza virá algo que terá muito destaque no mercado imobiliário”, avaliou Cláudio Castro, diretor da Sérgio Castro Imóveis, em entrevista ao Globo.

Recursos para financiamento imobiliário ficam mais escassos, e Caixa vê alerta para 2025
em O Globo, 17/junho

Sem perspectiva de “ressuscitar” a poupança e com a Selic nas alturas, o mercado imobiliário e os bancos buscam fontes alternativas para financiar a compra da casa própria a taxas mais atraentes, que não aumentem muito os juros a serem pagos pelo consumidor no financiamento do imóvel. No crédito habitacional, os depósitos da caderneta de poupança são hoje a maior fonte de recursos usada pelos bancos para bancar os financiamentos. Além do direcionamento obrigatório de 65% dos depósitos da caderneta, essa aplicação é remunerada pela Taxa Referencial (TR), mais baixa do que os juros de mercado. Assim, o crédito é repassado aos compradores de imóveis a taxas também menores.

Construtoras lançam campanhas para zerar os estoques
em Extra - Morar Bem, 16/junho

Feirões de vendas, campanhas com descontos no valor do imóvel e benefícios para quem fechar negócio: o mês de junho está repleto de ações das construtoras para atrair clientes aos estandes e zerar estoques em empreendimentos em construção ou já entregues. São milhares de imóveis disponíveis nas zonas Norte e Oeste, na Baixada Fluminense e em cidades do interior do estado.

Prefeitura de São Paulo assina decreto aguardado pelo setor imobiliário
em Valor Econômico, 14/junho

A prefeitura de São Paulo assinou nesta sexta-feira (14) o decreto que regulamenta a outorga onerosa, taxa paga por incorporadoras para se construir acima dos limites básicos definidos pelo Plano Diretor da cidade. A medida vinha sendo aguardada pelo setor imobiliário, que temia um atraso nos lançamentos de novos empreendimentos.

A responsabilidade ambiental do mercado imobiliário
em Estadão Imóveis, 16/junho

A sustentabilidade no mercado imobiliário não é apenas uma tendência passageira; é uma necessidade urgente que exige a atenção de todos os envolvidos, desde investidores e construtores até compradores e moradores. Em um mundo cada vez mais consciente dos impactos ambientais, o setor imobiliário precisa assumir uma posição de liderança na adoção de práticas sustentáveis. O setor imobiliário é um dos maiores consumidores de recursos naturais e energia, sendo responsável por uma significativa parcela das emissões de gases de efeito estufa. De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), os edifícios são responsáveis por cerca de 40% do consumo global de energia e 33% das emissões de CO2.

Baseie decisões em dados, não em achismos
em Estadão Imóveis, 16/junho

A história do meu amigo ilustra como a tecnologia pode revolucionar o negócio imobiliário. Apaixonado pelo Nordeste, ele investiu em um empreendimento de casas de alto padrão, mas após seis meses, nenhuma casa havia sido vendida. Os corretores locais justificavam o fracasso com base em “feelings” e crenças subjetivas, sem dados concretos. Cansado de ouvir explicações sem embasamento, decidi ajudá-lo a adotar uma abordagem mais científica. Usando minha experiência em ciência de dados, recorremos à inteligência artificial (IA) e data mining para entender melhor o mercado e os potenciais clientes. Uma análise detalhada do perfil, preferências e comportamento dos consumidores da região. E a partir daí traçamos nosso plano.

Falta de trabalhadores qualificados afeta a construção civil e abre caminho para novas tecnologias
em Estadão, 16/junho

O setor de construção civil vive um problema para conseguir entregar, no prazo, o grande volume de imóveis lançados nos últimos anos no Brasil. A exemplo do que ocorreu há pouco mais de uma década, a escassez de mão de obra qualificada voltou a assombrar as construtoras. A médio prazo, a saída para resolver o problema de falta de mão de obra qualificada na construção civil é aumentar a produtividade por meio da maior industrialização do processo de construção, afirma a economista Ana Maria Castelo. É neste ponto que entram novas tecnologias de construção. A industrialização, isto é o uso de novas tecnologias de construção, aumentou 30% nas obras nos últimos cinco anos.

Mercadinhos nos condomínios valorizam imóvel em até R$ 30 mil
em A Gazeta, 15/junho

A presença de mercadinhos nas áreas comuns dos edifícios é cada vez maior no Estado. Além de ser uma opção mais prática, algumas empresas não cobram nenhum custo de instalação ou manutenção para o condomínio. Para o presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Espírito Santo (Ademi-ES), Eduardo Fontes, os mercados autônomos, assim como as opções de lazer de um condomínio, podem contribuir com a valorização do imóvel.

14 de junho de 2024

Associados ADEMI

O fenômeno do apartamento de 38 milhões de reais do Leblon
em Veja Rio, 14/junho

Viralizou recentemente na internet o anúncio de venda de um apartamento no Leblon, luxuoso bairro da capital do Rio de Janeiro, oferecido por 38 milhões de reais. Apesar do valor de venda ser bem alto, não chega a surpreender, já que outros apartamentos Brasil afora são ofertados a valores ainda mais altos (em alguns casos, até o dobro). O que causa espanto, no entanto, é quando se calcula o valor do metro quadrado: mais de 133 000 reais, já que a metragem do imóvel é de 284 metros quadrados. Com isso, o imóvel se tornou, proporcionalmente, a residência mais cara à venda na cidade. O endereço da propriedade é o Edíficio Tom, da construtora Gafisa, que está no final de sua obra e deve ser entregue até o final de julho desse ano.

Notícias

Mudanças à vista na Barra: para viabilizar reforma de estádio do Vasco e novo autódromo, prefeitura oferece bônus para construtoras
em O Globo, 13/junho

Em discussão final na Câmara Municipal do Rio, projetos da prefeitura buscam viabilizar a reforma do estádio de São Januário, na Zona Norte, e a construção de um novo autódromo internacional, em Guaratiba, na Zona Oeste. Os textos preveem uma espécie de bônus imobiliário para investidores que pode mudar a paisagem de outros pontos da cidade. Esse mecanismo vai permitir, em troca da adesão às obras dos dois equipamentos esportivos — um que faz parte da história da cidade e o outro ainda em fase de projeto —, a construção de novos prédios residenciais com gabarito acima do que é hoje autorizado pela legislação no entorno da Avenida das Américas, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste da capital, e em parte da Zona Norte.

O que é o mais valerá, aprovado por vereadores em primeira discussão
em Veja Rio, 13/junho

A Câmara de Vereadores aprovou nesta terça (11), em primeira discussão, uma nova lei de mais valia, apelidada de ”mais valerá'. Essa lei autoriza donos de imóveis residenciais e comerciais a aprovarem projetos com um andar a mais que o permitido pela legislação municipal em toda a cidade do Rio de Janeiro, desde que os responsáveis paguem uma taxa proporcional à valorização imobiliária para a prefeitura. O texto, aprovado por 35 votos a 10, ainda será analisado em uma segunda discussão, provavelmente ainda neste semestre, e receberá emendas do poder executivo.

Setor imobiliário vê correção do FGTS pela inflação como menos danosa
em Valor Econômico, 12/junho

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em modificar a remuneração do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de forma que ela alcance pelo menos a inflação foi bem recebida pelo setor imobiliário, que seria o mais afetado caso prevalecesse o voto de equiparar o rendimento do fundo à poupança. Para Luiz França, presidente da Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), a decisão garante a sustentabilidade do FGTS. As entidades do segmento consideram que a equiparação ao rendimento da poupança tiraria recursos do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), usados para financiar a produção e subsidiar os compradores.

Mudança na remuneração do FGTS pode abrir caminho para crédito mais barato, diz Daniel Calderon
em CNN Brasil, 13/junho

O sócio-diretor da Calderon Contabilidades, Daniel Calderon, disse nesta quinta-feira (13) que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em corrigir as contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), pelo menos pela inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), vai impactar diretamente no financiamento imobiliário em geral. “O crédito imobiliário impacta muito nesse mercado e essa decisão do STF vai refletir em todos os integrantes deste setor, como as incorporadoras, investidores e empreendedores”, afirma.

Cresce a intenção de compra de imóveis entre investidores brasileiros
em Monitor Mercantil, 13/junho

A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), em colaboração com o Datafolha, lançou os resultados da 7ª edição do Raio X do Investidor Brasileiro, revelando tendências significativas nas decisões financeiras dos brasileiros em 2023. Pelo terceiro ano consecutivo, a pesquisa destaca um aumento na intenção dos investidores brasileiros de adquirir imóveis utilizando os rendimentos de aplicações financeiras.

Nest cria área de alternativos e capta fundo imobiliário
em Valor Econômico, 14/junho

A Nest Asset Management pretende captar até R$ 500 milhões na sua estreia no segmento de fundos imobiliários. Se for bem-sucedida, a gestora vai elevar o seu patrimônio a um outro patamar, para a casa do R$ 1,2 bilhão. A oferta é simbólica da construção de uma área de investimentos alternativos. Para ajudar nessa empreitada, a gestora, que tem na sociedade o empresário Roberto Justus, trouxe como sócio Fabio Passos, executivo que passou mais de uma década na Indosuez Wealth Management, do Crédit Agricole, operação vendida para o Banco Safra. Antes, ele esteve na Bawn Investments, na Swiss Capital e no Petros.

12 de junho de 2024

Associados ADEMI

Top Imobiliário 2024: Cury, Lopes e Cyrela são as vencedoras na premiação
em Estadão, 12/junho

Em sua 31.ª edição, o Top Imobiliário consagrou Cury, Cyrela e Lopes, respectivamente, as vencedoras entre as Construtoras, Incorporadoras e Vendedoras, de acordo com os registros da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), responsável pela aferição. O ranking final traz as 10 companhias mais ativas em cada uma das três categorias. O prêmio, criado em 1993 numa parceria do Estadão com a Embraesp, contempla as empresas que apresentaram os maiores volumes de lançamento de novos empreendimentos na capital paulista e cidades da Região Metropolitana.

Notícias

“O mercado imobiliário é do tamanho do ‘funding’ para o setor”, afirma Presidente do Secovi-SP
em Estadão, 11/junho

O ano de 2023 marcou um momento de retomada do mercado imobiliário brasileiro. Mesmo com os juros ainda altos, observou-se recordes no número de vendas, impulsionadas por novas regras no Plano Diretor, tendência de queda da Selic e programas de habitação social. Para Rodrigo Luna, Presidente do Secovi-SP e Presidente do conselho administrativo da Plano&Plano, os bons resultados são uma prova de resiliência do setor. “Depois da pandemia, as famílias precisavam encontrar formas de obter crédito imobiliário para adquirir a casa própria. Os segmentos de classe média e alta renda têm encontrado desafios por conta dos juros altos, que tornam o crédito mais caro e seletivo. Também temos o Plano Diretor, que apesar dos avanços, ainda é restritivo e precisa de melhorias” enumerou o executivo.

Inflação da construção civil desacelera para 0,17% em maio, mostra IBGE
em Valor Econômico, 11/junho

A inflação medida pelo Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) ficou em 0,17% em maio, ante 0,41% um mês antes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado, o indicador subiu 2,31% no acumulado em 12 meses, ante 2,51% até abril. O índice de maio de 2023 foi de 0,36%.

Compliance imobiliário: a ferramenta para regularizar o mercado
em A Gazeta, 11/junho

O ruído de comunicação entre os órgãos, cartórios e profissionais faz uma tempestade de informações, dificultando que uma pessoa leiga no mercado imobiliário acompanhe o ritmo. Devido a isso, temos uma nova ferramenta que cresce no mercado que precisa ser aplicada no mercado imobiliário: o compliance. Isso quer dizer que existe uma sistematização de normas e análise de processos para validar o risco das situações e prevenir novos conflitos.

Imóveis econômicos lideram com 54% dos lançamentos em São Paulo
em Terra, 11/junho

No acumulado de 12 meses, os lançamentos de imóveis econômicos atingiram a marca de 54% em unidades residenciais, mas em valor representam 21% da soma total dos apartamentos vendidos no mesmo período, de acordo com a pesquisa mensal do Sindicato da Habitação (Secovi-SP). Entre maio de 2023 e abril de 2024, foram lançados 79,5 mil apartamentos na capital paulista. A maioria está enquadrada no programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), com limite de preço de R$ 350 mil. São 42,6 mil imóveis econômicos, ante 36,9 mil de todos os outros segmentos - desde o médio até o altíssimo padrão.

Venda de imóveis aumenta em SP, inclusive os maiores; veja bairros são mais cobiçados
em CNN Brasil, 11/junho

As vendas de apartamentos de grande porte — acima de 140m² — cresceram 6,1% em São Paulo nos primeiros quatro meses de 2024, em relação ao mesmo período do ano passado. O movimento mostra reversão do quadro em comparação aos dados de 2023, quando o mercado havia recuado 8,8%, segundo levantamento da Loft exclusivo para a CNN. Segundo Fábio Takahashi, gerente de dados da Loft, o movimento de queda de juros iniciado pelo Banco Central (BC) no ano passado melhorou o cenário para o setor.

Imóveis ociosos em SP vão ser desapropriados após 14 anos
em Folha de São Paulo, 11/junho

Mais de 14 anos após a aprovação da lei municipal que prevê a desapropriação de imóveis ociosos em São Paulo, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) anunciou nesta terça (11) a intervenção em cinco endereços que serão destinados à habitação social. Os prédios serão concedidos à iniciativa privada para reformas e adequações e, depois, serão repassados às famílias com renda de até seis salários mínimos por intermédio da Cohab (Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo).

10 de junho de 2024

Associados ADEMI

De fábrica da Kibon a imóvel de luxo: maior projeto da Cyrela terá parque e unidades de R$ 5 milhões
em Estadão, 8/junho

O terreno de 42 mil metros quadrados (m²) na capital paulista que abrigava uma antiga fábrica da Kibon já começa a ganhar contornos do que deve ser um pequeno bairro de luxo da Cyrela. O local dará lugar ao megaprojeto chamado Eden Park by Dror, o maior desde a fundação da companhia, em 1962. No total, serão sete torres, incluindo uma comercial e outra para aluguel de curta estadia. Os preços dos apartamentos estão entre R$ 1,5 milhão e R$ 5 milhões, 20% a mais do que custavam quando o projeto foi lançado, no fim de 2022. Em média, o preço do metro quadrado do empreendimento é de R$ 17,5 mil. Nos demais lançamentos do bairro, o valor está na casa de R$ 13 mil.

Notícias

Sérgio Castro Imóveis lança filme sobre história do mercado imobiliário do Rio
em Diário do Rio, 7/junho

O documentário que conta a história da verticalização da cidade através da trajetória da empresa Sérgio Castro Imóveis, lançado no YouTube no último dia 20/05, além de mostrar o caminhar da empresa familiar, fundada em 1911, faz um paralelo com a história do Rio de Janeiro. A empresa, que esteve envolvida no lançamento do bairro do Recreio dos Bandeirantes, e na construção do Grajaú, completa 75 anos em 2024.

Falta de terrenos em áreas nobres leva imóveis de luxo a novos bairros de SP, diz CEO da Cyrela
em Estadão, 8/junho

O copresidente da Cyrela, Efraim Horn, filho do fundador da empresa Elie Horn, afirma que os projetos imobiliários de luxo estão se espalhando na cidade de São Paulo por conta da falta de terrenos em bairros tradicionalmente muito valorizados, como Jardins, Vila Olímpia e Alto de Pinheiros. Com isso, as empresas do setor imobiliário estão adotando uma nova estratégia: criar pequenos bairros em regiões próximas a centros comerciais, como o Brooklin, na zona sul. “Os Jardins hoje só têm terrenos pequenos. Os imóveis lá deveriam valer R$ 60 mil ou R$ 70 mil por metro quadrado (m²). Mas não valem porque não têm lançamentos dignos de valer isso. Como os terrenos são pequenos, os imóveis acabam valendo a metade do que deveriam. Moema já teve sua vez. A Vila Olímpia já teve sua vez e tem hoje unidades a R$ 45 mil o m². O próximo é o Brooklin”, afirma Horn.

Novo Plano Diretor do Rio: área central e Zona Norte tomam a frente no crescimento da cidade
em O Globo, 10/junho

Nem Zona Sul, nem Barra da Tijuca. As regras urbanísticas que entraram em vigor com o novo Plano Diretor do Rio têm como foco o crescimento da área central e da Zona Norte, regiões bem servidas de infraestrutura, especialmente de transporte público. É o que enfatizam o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro (Sinduscon-Rio), Claudio Hermolin, e o arquiteto, urbanista e ex-secretário municipal de Planejamento Urbano Washington Fajardo. O mercado aposta na guinada. Hermolin espera que pelo menos 18 projetos imobiliários residenciais, já em tramitação na prefeitura, sejam licenciados ainda este semestre, beneficiados pela revisão das normas urbanísticas, resultado de dois anos e meio de discussões. Estudo do Sinduscon-Rio estima que os custos da construção, e consequentemente dos preços dos imóveis, sejam reduzidos de 10% a 12% nos locais incentivados.

Participação de fundos imobiliários em galpões cresce 54% em cinco anos
em Valor Econômico, 10/junho

A participação de Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs) na locação de galpões industriais e de logística cresceu 54% nos últimos cinco anos, nos principais mercados do Brasil. Nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, 34% do estoque pertencia a fundos do tipo ao fim de 2023, ante 22% em 2018, segundo dados da consultoria imobiliária JLL. Esse período foi marcado por um forte crescimento do número de investidores em FIIs, que saltou de 208 mil para 2,5 milhões no mesmo intervalo.

Exclusivo: CMN acabará com restrições para fundos de pensão investirem em imóveis
em Exame, 7/junho

O Conselho Monetário Nacional (CMN) acabará com a restrição legal aprovada pelo colegiado em maio 2018 que vedou a aquisição direta de imóveis pelas entidades fechadas de previdência complementar (EFPC) e as obrigou a alienar os imóveis de propriedade direta em até 12 anos, ou seja, até maio de 2030. Segundo técnicos do Ministério da Fazenda ouvidos pela EXAME, a mudança deve ser votada na reunião de junho. A medida tem potencial de aquecer o mercado e, ao mesmo tempo, gerar emprego e renda. O setor da construção civil é intensivo em mão de obra e o governo Lula quer manter em alta a abertura de postos de trabalho.

Sustentabilidade deve ser colocada como prioridade em projetos, diz CBIC
em CBIC, 7/junho

A sustentabilidade no setor da construção foi o tema em destaque da 11ª edição do Roadshow COIC, promovido por meio da Comissão de Obras Industriais e Corporativas (COIC) e da Comissão de Meio Ambiente e Sustentabilidade (CMA) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), nesta quarta-feira (6), em Curitiba-PR. Essa edição especial fez parte das ações de comemoração dos 80 anos do Sinduscon-PR, destacou o vice-presidente de Obras Industriais e Corporativas da CBIC, Ilso Oliveira. A tragédia das enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul no último mês tem intensificado o debate sobre sustentabilidade e infraestrutura urbana. Nesse contexto, o setor da construção ganha ainda mais destaque e importância, assumindo um papel fundamental na melhoria das cidades e na mitigação dos impactos causados pelas mudanças climáticas.

Em meio à valorização do setor imobiliário, Capital Concreto prevê recorde de lançamentos
em Gazeta do Rio, 10/junho

O valor de mercado de empresas do setor imobiliário cresceu 64,6% na Bolsa de Valores no último ano, chegando ao total de R$45,7 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias, a ABRAINC. Para empresários da área, o momento é favorável para expansão. CEO da Capital Concreto, incorporadora especializada em investimento imobiliário, Marcelo Menezes estima lançar 1 bilhão ainda em 2024.

7 de junho de 2024

Associados ADEMI

Mais uma construtora começa a explorar o ‘filé mignon’ do mercado carioca: a Zona Sul
em O Globo, 5/junho

Prestes a lançar projeto que transformará em residencial um antigo prédio do magnata Assis Chateaubriand na Pedra do Sal, a construtora CTV fará seu primeiro empreendimento em quatro décadas na Zona Sul do Rio — o “filé mignon” do mercado carioca. Junto com a Progress Incorporadora, que acaba de se fundir ao grupo, a CTV vai fazer um retrofit no prédio que abrigava o antigo Bridge Clube Rio de Janeiro, em Copacabana. Trata-se de um prédio comercial que fica na Rua Raul Pompéia, número 12 — região que o CEO Felipe Videira chama de “Copanema”, aglutinação com o nome do bairro mais nobre (e caro) que fica a poucos passos dali.

Notícias

Apartamento à venda por R$38 milhões no Leblon tem 284 metros quadrados
em O Globo, 7/junho

O vídeo de um apartamento à venda por R$ 38 milhões na orla do Leblon, no Rio, viralizou na internet. No Instagram, o conteúdo, postado pelo corretor de imóveis Guilherme Nogueira, foi visualizado mais de 400 mil vezes e, no Tik Tok, em menos de 24 horas, já teve mais de 1,1 milhão de exibições. O edifício Tom, construído pela Gafisa, já teve todos os apartamentos vendidos, um total de seis, antes da abertura prevista para dia 20 de junho. Um dos proprietários, no entanto, revenderá seu imóvel. Guilherme Nogueira, corretor de imóveis de luxo com perfis em diferentes redes sociais, mostrou na internet curiosidades do apartamento à venda e do prédio. Com 284 metros quadrados, o apartamento custa R$ 38 milhões; já o condomínio, segundo o corretor Guilherme Nogueira, custará entre R$ 25 mil e R$ 30 mil.

Casas ‘eficientes’ são o futuro dos condomínios de luxo
em Valor Econômico, 6/junho

Elas geram sua própria energia elétrica, reutilizam água da chuva, transformam lixo orgânico em adubo, usam sistemas automatizados controlados à distância e, graças à otimização de recursos naturais como a luz e o vento, mantêm as luzes apagadas quase o dia todo e dispensam o ar-condicionado grande parte do ano — mesmo nos dias mais quentes. As casas de luxo “eficientes” estão ganhando espaço nos condomínios residenciais mais sofisticados do Brasil. Em comum, esses projetos priorizam a flexibilidade de uso dos ambientes, a escolha inteligente de materiais, a adoção de tecnologias que reduzem custos operacionais e a baixa manutenção do imóvel.

Economia prateada: mercado imobiliário está de olho na 3ª idade
em Diário do Comércio, 7/junho

O Brasil enfrenta um cenário de envelhecimento da população acelerado, com o número de idosos crescendo exponencialmente. De acordo com o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado em 2022, o número de pessoas com mais de 65 anos no Brasil chegou a 22 milhões, um aumento de 57,4% em relação a 2010. Um dos principais desafios do mercado imobiliário para a terceira idade é a viabilidade econômica dos empreendimentos. “É importante encontrar o equilíbrio entre a oferta de soluções inovadoras e acessíveis para a população idosa”, explica Nagazawa. “Também é fundamental garantir a qualidade dos serviços e a fiscalização das empresas que atuam nesse segmento”, comenta o arquiteto urbanista e sócio da Bloc Arquitetura, Alexandre Nagazawa.

Pesquisa mostra que localização e segurança são principais fatores para valorização imobiliária
em Estadão Imóveis, 7/junho

Localização privilegiada e segurança são os maiores estímulos para compradores pagarem mais por um imóvel no Brasil. De acordo com uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC), em parceria com a Brain Inteligência Estratégica, mais de 60% das pessoas considerariam pagar valores acima da média do mercado se eles tiverem estes dois diferenciais. O terceiro fator apontado pelo levantamento é o acesso às principais rodovias e transporte público (27%). O item é seguido por opções de lazer diferenciadas (22%), a expectativa de valorização no longo prazo (21%) e a sensação de exclusividade (12%).

União entre Even e Faena movimenta projeto de R$ 3 bilhões no mercado imobiliário brasileiro
em Valor Econômico, 5/junho

Com um posicionamento cada vez mais sólido no mercado de alto padrão e empreendimentos concentrados nos bairros mais desejados da capital paulista, a Even Construtora e Incorporadora abriu recentemente as vendas do Faena São Paulo. “Estamos com muita procura e, ao conhecer o espaço, o visitante se surpreende com a dimensão do projeto e tudo o que ele oferece”, comenta o diretor de incorporação, João Paulo Laffront. O complexo, em parceria com o grupo Faena, reconhecido pela hotelaria de luxo, promete ser um ícone da cidade, ocupando um terreno de quase 20 mil metros quadrados a 300 metros da badalada Av. Faria Lima. Este é o maior lançamento da Even, com um VGV de mais de R$ 3 bilhões.

Decisão inédita da Justiça fortalece o mercado imobiliário no Brasil
em OCP News, 5/junho

Em decisão inédita, na tarde desta terça-feira, 04 de junho, 3ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) acolheu os argumentos da FG, representada pelo Leal & Varasquim Advogados, reconhecendo a possibilidade de reserva de apartamentos antes do registro da incorporação. A decisão, de forma unânime, é inovadora, com decisão totalitária dos três votos, aplica recente mudança da lei de incorporações que anteriormente não permitia nenhuma negociação antes do término do registro imobiliário.

5 de junho de 2024

Interesse nacional

Presidente da Abrainc diz que tributação do setor imobiliário deve se equiparar a educação e saúde
em Estadão Imóveis, 4/junho

Entusiasmado com o presente do mercado imobiliário do Brasil, Luiz França, presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), afirma que o setor está seguindo a rota correta, mas precisa de ajustes para atender todas as faixas de renda. Em palestra no Summit ABRAINC 2024, evento que reuniu incorporadores, profissionais da construção e representantes do poder público, ele defendeu uma tributação menor para o setor.

Notícias

Caixa quer liberação de compulsórios para a habitação
em Folha de São Paulo, 4/junho

O presidente da Caixa Econômica Federal, Carlos Vieira, afirmou nesta terça-feira (4) que a liberação dos depósitos compulsórios dos bancos é uma saída para driblar a possível falta de recursos para a concessão de financiamento imobiliário. "Para 2024 temos fôlego, mas precisamos pensar em como continuar neste ritmo de contratação", disse no Summit Abrainc 2024, evento promovido pela associação de incorporadoras. O Banco Central exige o recolhimento compulsório de 20% sobre os recursos de depósitos de poupança.

Onde estão os condomínios mais caros do Brasil? Bairros de RJ e SP disputam liderança
em Exame, 3/junho

Os bairros do Leblon, no Rio de Janeiro (RJ), e da Vila Olímpia e Jardim América, em São Paulo (SP), são os mais caros do Brasil quando o assunto é condomínio. Levantamento inédito da Loft avaliou o preço médio do metro quadrado de 1,2 milhão de anúncios de apartamentos nas principais plataformas digitais, ativos em abril. O levantamento foi realizado em cinco capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis e Porto Alegre. No bairro carioca que lidera o ranking, a mediana do preço para a cobrança em abril foi de R$ 16,20 por metro quadrado.

Construção civil corre atrás de soluções mais sustentáveis
em O Tempo, 3/junho

O Brasil se comprometeu a reduzir em 53% as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs) até 2030, em relação ao volume de emissões do ano de 2005. Esse compromisso faz parte do Acordo de Paris, tratado que estabelece uma série de ações para impedir que o aumento da temperatura média do planeta ultrapasse 2°C. As empresas mineiras do ramo da construção civil estão fazendo o dever de casa e correndo atrás de soluções mais sustentáveis para seus canteiros de obras. Sozinho, o setor de construção e edificações corresponde a 6% das emissões nacionais de gases de efeito estufa, totalizando cerca de 139 milhões de toneladas de CO2 por ano. Os dados são da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec).

Imóveis ficaram 6,07% mais caros nos últimos 12 meses, segundo Índice FipeZAP
em Estadão Imóveis, 4/junho

O preço dos imóveis residenciais no Brasil subiu 6,07% nos últimos 12 meses, de acordo com Índice FipeZAP, divulgado pelo DataZAP. O valor está acima da variação do IGP-M/FGV (-0,34%) e da prévia do IPCA-15 (+3,91%). A valorização é impulsionada por capitais como Goiânia (+14,20%), Maceió (+14,15%) e Curitiba (+13,27%), mas todas as 50 cidades analisadas pelo índice registraram alta no período. O bom momento do mercado imobiliário se reflete na variação positiva do segmento no último mês. Em maio, o preço dos imóveis valorizou 0,74%, o que representa uma alta em relação aos meses de março (+0,64%) e abril (+0,66%).

Conheça a empresa que fatura R$ 158 milhões construindo casas em 45 dias
em Exame, 3/junho

Inconformado com o uso em larga escala de tijolos nas construções em pleno século 21, o empresário Henrique César pediu demissão da construtora em que trabalhava como coordenador de obras, e vendeu o próprio carro para investir em soluções sustentáveis no setor de construção civil. Assim nasceu, em 2021, a Perfilar, primeira marca do Grupo Lar. A empresa paranaense começou a operar investindo na fabricação de perfis metálicos para drywall, sistema de construção a seco, e light steel frame – estrutura de aço galvanizado para a construção de casas industrializadas e sustentáveis. Ainda novidade no Brasil, as obras em Light steel frame são comuns na Europa e nos Estados Unidos e oferecem uma alternativa mais rápida e menos custosa em relação à alvenaria tradicional.

3 de junho de 2024

Associados ADEMI

Investidor garante liquidez a lançamentos em Copacabana
em O Globo, 2/junho

A Princesinha do Mar anda reinando absoluta no mercado imobiliário carioca quando o assunto é a velocidade de venda dos lançamentos. O comércio farto, a oferta de serviços e de transporte público e a fama mundial fazem de Copacabana um bairro muito desejado por um tipo especial de comprador: o investidor. No caso do Nook, na Rua Hilário de Gouveia, recém-lançado e totalmente vendido em poucas horas, a oportunidade surgiu quando a Pivô, desenvolvedora de negócios em São Paulo, adquiriu o terreno com o objetivo de criar um empreendimento para seu portfólio, sem venda de unidades e totalmente voltado para renda. A empresa buscou um parceiro carioca e fechou com a Performance Empreendimentos Imobiliários. O prédio terá 47 unidades, de estúdios a coberturas.

Notícias

Pesquisa mostra o dinamismo dos imóveis de luxo na cidade
em Valor Econômico, 31/maio

O mercado imobiliário de luxo e superluxo no Rio mantém o ciclo de crescimento e valorização dos últimos quatro anos. O VGV do segmento registrou 70% de aumento em 2023: R$ 763 milhões contra R$ 450 milhões em 2022. O volume de vendas foi de R$ 9,9 bilhões, crescimento de 18% no período. A valorização dos imóveis chegou a 11% no ano passado. O preço médio do metro quadrado em bairros da Zona Sul e na Barra da Tijuca superou os preços do sofisticado Leblon, tido como o mais valorizado da cidade: R$ 22.570. A participação média do mercado de luxo no VGV lançado foi de 14% (6% a mais que em 2022), e o número de unidades lançadas cresceu 70%.

Lula tem pressa, mas recurso para ampliar crédito imobiliário só deve fluir ao setor em 2025
em O Globo / Lauro Jardim, 2/junho

No fim de abril, Lula assinou uma medida provisória permitindo que a estatal Emgea (Empresa Gestora de Ativos) atue como securitizadora no mercado imobiliário. O programa foi lançado num evento com o presidente no Palácio do Planalto como uma solução para o aumento exponencial do crédito imobiliário.

Nem mesmo Pablo Marçal: A mansão mais cara do Rio é inalcançável
em Diário do Rio, 1º/junho

Uma das propriedades mais exclusivas e caras do Brasil, localizada no prestigiado Condomínio Jardim Pernambuco, no Alto Leblon, está à venda por impressionantes R$ 220 milhões. O valor astronômico faz com que a mansão seja não apenas a mais cara do Rio, mas também do país. Mesmo figuras de alta visibilidade e sucesso financeiro, como o empresário e coach Pablo Marçal, não conseguiriam arcar com tal aquisição.

Imóveis: cresce uso de FGTS para consórcios
em Extra, 2/junho

O uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço no consórcio de imóveis tem ganhado destaque no cenário econômico brasileiro. Em 2023, pela primeira vez na história do segmento, o volume de recursos do FGTS utilizado em consórcios imobiliários ultrapassou a marca de R$ 200 milhões. Foram usados R$ 205,19 milhões, segundo dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios, distribuído de forma a atender às diversas necessidades dos participantes: 45% foram utilizados para amortização de saldo devedor, 40,7% para aquisição de imóvel pronto, 8,8% para liquidação de contrato e 5,4% para compra de moradia em construção. Um estudo feito pelo Grupo Croma, intitulado “Sonhos brasileiros”, revelou que 36% das pessoas desejam ter uma casa própria, evidenciando a importância do setor imobiliário para a população.

Venda de imóveis em São Paulo atinge uma nova marca recorde; veja bairros com mais lançamentos
em Estadão, 1º/junho

O amontoado de obras em cada esquina, em bairros como Mooca e Perdizes, é uma mostra do vigor recente do mercado imobiliário em São Paulo. Em março, pela primeira vez, o total de imóveis vendidos na capital paulista ultrapassou a marca das 100 mil unidades no acumulado de 12 meses, segundo pesquisa da Brain Inteligência Estratégica. Em relação ao período de 12 meses anterior, o crescimento foi de 25%. A alta demanda tem promovido uma transformação na cidade. Até bairros tradicionalmente comerciais estão ganhando empreendimentos residenciais.